1 Real Indica — 20 filmes que você pode assistir nessa noite de Halloween!

0

Ok, senhoras e senhores que por algum motivo ainda lêem este site, chegamos novamente àquela famigerada época do ano: o Dia das Bruxas (ou “Halloween”, dependendo da sua preferência de nomenclaturas). Se vocês forem como eu, provavelmente costumam aproveitar este dia para ficar em casa, pedir uma pizza (ou outra iguaria gastronômica) pelo delivery e assistir um ou mais filmes de terror  sozinhos ou com um grupo de amigos.

Supondo que você esteja planejando fazer algo semelhante ao cenário supracitado hoje à noite, certamente vai se deparar com aquela clássica situação de “socorro qual filme eu escolho?” que todo mundo já vivenciou ao menos uma meia dúzia de vezes ao longo do ano.

É justamente por isso, caro leitor, que resolvi fazer essa listinha com vinte filmes — todos disponíveis nos principais serviços de streaming (Netflix e Amazon Prime Video) — que, na minha nada humilde opinião, serão capazes de lhe proporcionar uma experiência prazerosa e aterrorizante nessa noite de Halloween.

Sem mais delongas, vamos começar essa listinha em ordem alfabética que cobre desde clássicos do cinema de terror até aqueles filmes “trash” que harmonizam perfeitamente com uma boa cerveja, passando por alguns favoritos e guilty pleasures pessoais. Lá vai:

30 Dias de Noite (Netflix): Baseado na graphic novel homônima de Steve Niles, “30 Dias de Noite” se passa numa cidadezinha do Alasca que é atacada por uma horda de vampiros durante a “noite polar” que dá nome ao filme, o que força os protagonistas a lutar pela sobrevivência durante um mês sem contato com o mundo exterior. É uma premissa simples e sem grandes surpresas, mas o filme vale a pena pela atmosfera de tensão que permeia todas as cenas, além de sua reinterpretação deveras interessante da mitologia vampiresca.

A Autópsia (Prime Video): Resumindo de forma bem porca: funcionários de um necrotério começam a vivenciar fenômenos sobrenaturais enquanto realizam uma autópsia num cadáver não-identificado. É mais próximo de um suspense do que de um filme de terror propriamente dito, mas é um filme inteligente que conta com temas e momentos capazes de te causar calafrios.

As Vozes (Netflix): Qualquer fã do gênero vai concordar que terror e humor negro são uma combinação perfeita se for feito do jeito certo. “As Vozes”, estrelando Ryan Reynolds como um psicopata esquizofrênico que recebe conselhos homicidas dos seus animais de estimação, é um exemplo desse “jeito certo”. Se você estiver com vontade de rir horrores ao mesmo tempo que fica perturbado com os aspectos mais sombrios do enredo, esse filme é pra você.

Corrente do Mal (Netflix): Também conhecido como a segunda melhor propaganda de incentivo ao uso de preservativos perdendo apenas para uma criança dando birra em um local público, “Corrente do Mal” gira em torno de uma garota que contrai um DST — Demônio Sexualmente Transmissível — que a persegue lentamente até que ela passe a maldição adiante ou morra de forma violenta. O próprio conceito do filme, uma reinterpretação da fórmula presente no clássico “Halloween” de John Carpenter, já é apavorante o suficiente, mas a direção de David Robert Mitchell e a trilha sonora de Disasterpeace dão ao filme uma pegada surrealista que o torna único entre os filmes do gênero.

Ecos do Além (Prime Video): Baseado no romance homônimo de Richard Matheson, “Ecos do Além” é o filme favorito de Robert Englund (o primeiro e único Freddy Krueger) e estrela Kevin Bacon como um eletricista que passa a ver fantasmas após uma sessão de hipnose. Com uma trama que mistura de forma sensacional os gêneros de terror paranormal e murder mystery, o filme consegue manter o espectador grudado na tela do início ao fim.

A Morte do Demônio (Prime Video): Uma reinterpretação da franquia que levou Sam Raimi ao sucesso, “A Morte do Demônio” traz de volta a premissa clássica de um grupo de adolescentes atacados por forças demoníacas em uma cabana no meio do nada. O diretor e roteirista estreante Fede Alvarez arrisca ao dar à trama uma nova camada de significado, explorando na mesma uma alegoria para o processo doloroso da superação de um vício. Contudo, as verdadeiras estrelas do filme são a violência e o body horror, que ganham vida graças a um excelente trabalho que combina efeitos práticos e CGI com resultados deliciosamente grotescos.

Hereditário (Prime Video): Também conhecido como o filme que me deixou com medo de abaixar as janelas do carro. Basicamente, “Hereditário” narra o gradual colapso de uma família que é basicamente um ímã para uma rápida sucessão de tragédias assim como a linhagem Joestar. Focando mais na exploração psicológica de cada personagem, o filme consiste em uma melancolia constante pontuada por momentos de extrema brutalidade, e certamente vai te deixar reflexivo por muito tempo após os créditos terminarem de rolar.

Invasão Zumbi (Netflix): Esse filme é uma verdadeira jóia do cinema sul-coreano e provavelmente um dos melhores exemplares recentes que se pode enumerar para o subgênero saturado do “apocalipse zumbi”. Situado quase unicamente em um trem em movimento que está infestado pelos mortos-vivos, “Invasão Zumbi” combina terror, ação e suspense em uma trama tensa e emocionante, que por sua vez é sustentada por um drama familiar lindamente desenvolvido ao longo da mesma.

Invocação do Mal 1 e 2 (Netflix): Claro que eu não poderia fazer uma lista de filmes de terror sem indicar a potencial magnum opus de James Wan, que provavelmente é o maior nome do terror na atualidade. Essa saga ainda em desenvolvimento — que também originou inúmeros spin-offs que prefiro não falar sobre — conta histórias reais protagonizadas pelos famosos demonologistas Ed e Lorraine Warren, contrapondo dramatizações impecáveis de fenômenos investigados pelo casal a uma narrativa que trata dos desafios que este enfrenta enquanto família.

Jogo Perigoso (Netflix): O outro grande nome do terror dessa geração, Mike Flanagan, apresenta uma abordagem mais sutil e contida em relação aos sustos bombásticos e meticulosamente construídos de James Wan. Em seu thriller claustrofóbico “Jogo Perigoso”, lançado diretamente na Netflix e baseado em um conto de Stephen King, Flanagan demonstra a habitual e incomparável habilidade de trazer você para dentro da cena e brincar com o seu psicológico da mesma forma que o faz com os personagens que habitam o filme.

O Enigma do Horizonte (Prime Video): Esse híbrido entre ficção científica e terror sobrenatural do diretor Paul W. S. Anderson é um daqueles filmes “trash” que ganharam status de cult classic ao longo dos anos e ninguém consegue delimitar o motivo. Com algumas escolhas estéticas e conceituais que coincidentemente lembram o universo Warhammer 40.000, além de lampejos de violência extrema, “O Enigma do Horizonte” é uma boa pedida pra assistir enquanto bebe com os amigos e ri dos absurdos presentes na história.

O Nevoeiro (Prime Video): Baseado em um livro de Stephen King, “O Nevoeiro” é provavelmente uma das melhores adaptações que o autor recebeu até o momento. Situado em um supermercado onde um grande grupo de pessoas está ilhado devido ao nevoeiro que dá nome ao filme, a trama gira em torno da gradual degradação psicológica desse grupo à medida que seus membros tentam entender a natureza do fenômeno. O filme de Frank Darabont é apropriadamente tenso e claustrofóbico, e pelo amor de deus não o confunda com aquela série horrorosa da Netflix que por acaso tem o mesmo nome.

O Segredo da Cabana (ambas as plataformas): Você tá cansado dos clichês de terror e já acha que eles são uma piada? Bom, “O Segredo da Cabana” também acha, e ainda por cima tenta achar uma justificativa para a lógica furada dos slashers. O roteiro de Joss Whedon equilibra comédia, suspense e ficção científica em uma experiência que certamente vai agradar a todos que estão de saco cheio de terror e querem rir com uma boa desconstrução do gênero.

Pandorum (Prime Video): Outro terror de ficção científica que ganhou o status de cult classic ao longo dos anos, mesmo não tendo uma recepção muito positiva na época de seu lançamento. Com uma premissa intrigante e um foco na exploração dos efeitos psicológicos causados pelo isolamento, “Pandorum” é uma mistura sólida e arrepiante de terror lovecraftiano e thriller de sobrevivência.

Quando as Luzes se Apagam (Netflix): Ok, quem nunca teve medo do escuro em algum momento na vida? Esse filme do estreante David F. Sandberg — que a propósito é baseado no curta-metragem que ele mesmo fez em 2013 — explora um dos medos mais primordiais do ser humano ao apresentar como antagonista da trama uma presença maléfica que só se manifesta na escuridão absoluta. Você provavelmente vai querer dormir com as luzes acesas depois disso.

Quadrilogia [REC] (Prime Video): Como posso melhor descrever essa quadrilogia de filmes espanhóis? Bom, o primeiro [REC] é um verdadeiro clássico do subgênero found-footage que inspirou um péssimo remake hollywoodiano chamado “Quarentena”; a continuação [REC]² é igualmente boa, estando para o primeiro filme assim como “Aliens — O Resgate” está para “Alien — O Oitavo Passageiro”; o terceiro, [REC]³: Genesis, conta com um novo diretor e abruptamente abandona o found-footage no meio da história e se torna uma comédia de humor negro pelo resto de sua duração; e o capítulo final [REC]⁴: Apocalipse retoma a história dos dois primeiros filmes (sem o found-footage) e finaliza a saga com um action-horror legalzinho. Maratonar os 4 pode ser uma experiência eclética e divertida, e o álcool tá liberado a partir do terceiro filme.

Terror em Silent Hill (Netflix): Esse aqui é meu guilty pleasure, sem dúvida alguma. Mesmo pecando em diversos pontos e apresentando uma história inconsistente que pouco tem a ver com a essência dos jogos que pretende adaptar, “Terror em Silent Hill” merece estar nessa lista devido ao cuidado demonstrado pela equipe de produção com a parte audiovisual. A atmosfera constantemente opressiva da cidade-título e as criaturas grotescas trazidas à vida por um trabalho impecável de maquiagem, próteses e CGI farão com que “Terror em Silent Hill” fique na sua cabeça por bastante tempo.

Um Drink no Inferno (Netflix): Uma homenagem ao cinema exploitation de antigamente, esse action-horror de Robert Rodriguez estrelando George Clooney e Quentin Tarantino é precisamente o que você pode esperar de qualquer filme que envolva os nomes de Rodriguez e Tarantino juntos: violência extrema, palavrões, um senso de humor questionável e um cara chamado Sex Machine que tem uma arma de formato fálico acoplada na própria virilha. É um filme genuinamente bom, mas que deve ficar ainda melhor acompanhado de álcool.

Um Lobisomem Americano em Londres (Prime Video): Se não me engano esse é o filme mais antigo desta lista (foi lançado em 1981) e coloquei ele aqui porque tenho um amor incondicional por esse clássico. “Um Lobisomem Americano em Londres” é um filme que pode ser descrito como — por falta de um termo melhor — completo, pois equilibra elementos de monster flick, comédia, terror psicológico, romance, drama e tragédia grega em uma narrativa coesa e fascinante. Os efeitos especiais (inteiramente práticos) que foram empregados na icônica cena de transformação do protagonista são impressionantes até os dias de hoje.

Verônica — Jogo Sobrenatural (Netflix): Mais um excelente exemplar do cinema espanhol, “Verônica” é um terror sobrenatural levemente baseado na história real do primeiro caso de atividade paranormal oficialmente relatado por um oficial de polícia na Espanha, em 1991. No filme, a personagem-título é uma garota que se vê perseguida por uma entidade maligna após fazer uma sessão espírita com suas amigas na escola. É uma história trágica que culmina em um final inevitável anunciado logo no início do filme, e que ao longo desse caminho traz um clima apropriadamente melancólico e alguns dos melhores sustos que um filme de terror moderno pode oferecer.

Então é isso, meus assombrados! Provavelmente vocês não vão conseguir ver todos esses (eu ficaria surpreso se alguém tiver chegado até esse ponto do texto), mas esta lista tem o propósito de facilitar sua vida na hora de escolher algo bom pra assistir nessa noite de Halloween, então espero que pelo menos pra isso ela tenha servido. Por fim me resta desejar a vocês um ótimo Dia das Bruxas, e que os filmes que vocês escolherem lhes rendam uma experiência sensacional (além de litros de nightmare fuel pra passar a noite).

Deixe uma resposta